Concepções pedagógicas

Fe-Espiritualidade-Razao.jpg


concepção pedagógica é o modo como a educação é compreendida, teorizada e praticada e pode ser usada para sair do piloto automático.

Somos a transformação que queremos ver no mundo: vida ética (ou seja, o bem pelo bem), ver exatamente como é, perceber emoções e sentimentos e aprender a usar isso para ter autocontrole.

 

 

liberdade  | conhecimento livre | Paulo Freire |
A pedagogia da liberdade, idealizada por Paulo Freire (nota de rodapé 1), preconiza que em qualquer processo pedagógico estamos lidando com um ser livre que adere voluntariamente ao convite de evolução que lhe é proposto.

 

interação  | ação |  Vygotsky, Habermas |
Pedagogia da ação resulta da  reunião da teoria social da inteligência, proposta  por Vygotsky (nota de rodapé 2) e da teoria da ação comunicativa, proposta por Habermas (nota de rodapé 3).  Segundo essa concepção, a educação resulta da ação de interação social, ou seja, de comunicação entre pessoas.

 

Teoria social da inteligência - Segundo Vygotsky, o indivíduo só aprende agindo, experimentando, ensaiando (inclusive errando); é na ação que se desenvolve as potencialidades. No materialismo de Vygotsky, sujeito e tecnologia estão ligados ao contexto histórico, social e cultural. O professor desempenha o papel de mediador ajudando o educando a transpor de uma experiência de vida prática, confusa e fragmentada, para uma compreensão mais organizada e unificada. O professor busca a unidade entre a teoria e a prática, utilizando estratégias que incentivam a autonomia e o desenvolvimento da capacidade criativa do aluno. Para este educador, a aprendizagem consiste no processo de internalização cultural por meio da construção e ressignificação do universo cultural. O sujeito reelabora as informações com seus significados sociais e históricos, construindo de forma ativa e crítica o seu próprio conhecimento. O processo de ensino parte dos conhecimentos prévios dos alunos que são transformados em conhecimentos científicos sob a intervenção sistemática do professor que direciona o processo.
 

Teoria da ação comunicativa - Habermas apresenta uma análise da racionalidade como sistema operante da sociedade. Contrapõem-se à ideia de que a razão instrumental constitua a própria racionalização da sociedade ou único padrão de racionalização possível e introduz o conceito da ação comunicativa.

 

cooperação  | afeto|  Morin, Maturana, Levy |

A pedagogia do afeto resulta da reunião da teoria da complexidade, proposta  por Edgar Morin (nota de rodapé 4) da teoria da inteligência social, proposta por Pierre Levy (nota de rodapé 5),  e da teoria da cooperação, proposta por Humberto Maturana (nota de rodapé 6). Segundo essa concepção, a educação resulta da inteligência coletiva, estruturada na forma de árvore de conhecimento, produzida pelo uso de  redes de interação.


Teoria da complexidade - Proposta por Morin a teoria é contrária a fragmentação do saber produzida pela organização disciplinar instituída nas universidades modernas. A fragmentação do saber apresenta lacunas que não oferecem uma abordagem de ligação entre as áreas, limitando e, até mesmo, dificultando a aprendizagem.
O essencial na abordagem da complexidade é o entendimento de que o todo necessita das partes, assim como as partes necessitam do todo para que ocorra uma efetivação de ambas.

Teoria da inteligência social - Proposta por Pierre Levy a teoria é baseada no princípio no qual as inteligências individuais são somadas e compartilhadas por toda a sociedade, sendo potencializadas a partir do surgimento de novas tecnologias de comunicação. O compartilhamento de memória, imaginação e percepção resulta na aprendizagem coletiva e troca de conhecimentos.

Teoria da cooperação - Proposta por Maturana a teoria procura explicar o conhecer explicando o conhecedor e tomando como ponto de partida a experiência do observador e o observar. Esse observador não pode distinguir, na experiência, entre ilusão e percepção, mas pode gerar explicações da experiência que são reformulações da experiência. As explicações científicas, por exemplo, são reformulações da experiência aceitas pela comunidade científica por satisfazerem um critério de validação estabelecido por ela mesma.

--------------------------------

nota de rodapé 1 - (1921-1997) Paulo Freire: educador e filósofo brasileiro.

nota de rodapé 2 - (1896-1934) Vygotsky: psicólogo russo, .

nota de rodapé 3 - Jürgen Habermas: Filósofo e sociólogo alemão. Membro da Escola de Frankfurt que é uma das principais correntes do Marxismo Ocidental. Dedicou sua vida ao estudo da democracia, especialmente através de suas teorias do agir comunicativo, da política deliberativa e da esfera pública. É conhecido por suas teorias sobre a racionalidade comunicativa e a esfera pública.

nota de rodapé 4 - Edgard Morin: (1921-2021) Antropólogo, sociólogo e filósofo francês. Publicou uma série de livros que dissemina a transformação epistemológica ao questionar o fechamento ideológico e paradigmático das ciências e apresentar uma alternativa à concepção de paradigma encontrada em Thomas Kuhn: os sete saberes necessários à educação do futuro; a teoria do pensamento complexo.

nota de rodapé 5 - Pierre Levy: (1921-...)  Antropólogo, sociólogo e filósofo da informação francês.

nota de rodapé 5 - Humberto Maturada: (1956-...) Filósofo e pesquisador em ciência da informação e da comunicação francês. Crítico do realismo matemático e criador da teoria da autopoiese e da biologia do conhecer.